Páginas

PIB Brasileiro e PIB Mundial: cada um enxerga o que quer ver

É impressionado como quando se trata de questões políticas,  a ideologia , a subjetividade e parcialidade ficam evidenciadas.

O site Brasil 247.com, por exemplo, traz uma matéria defendendo a capacidade técnica do Ministro da Fazenda Guido Mantega.

Trata-se de uma defesa contra as críticas tecidas no jornal britânico Financial Times e pelo ministro das Finanças da Inglaterra, George Osborne, que criticavam a atuação de Mantega e a insistência do governo brasileiro em mantê-lo no cargo.
 Como argumento, a defesa se baseia no fato de que o crescimento do PIB brasileiro foi maior do que o apresentado pela Inglaterra e pelos EUA.

Foram utilizado dados do IBGE que apontam que o Brasil registrou um crescimento econômico de 2,3% em 2013. Sendo o crescimento do PIB  o terceiro maior do mundo, considerando apenas os 13 países que já apresentaram seus resultados. À frente da economia brasileira, estão apenas China e Coreia do Sul, que tiveram crescimento de 7,7% e 2,8%, respectivamente.

Primeiramente, é preciso destacar que se a média
mundial de crescimento econômico em 2013 foi de 3% e o Brasil conseguiu com muito esforço 2,3%, não há muito o que se comemorar. Estamos abaixo da média mundial, a qual conta com um grande número de países pobres e muito menores que o Brasil.

Outro detalhe é que notícias em tom de propaganda, anunciando o crescimento do PIB brasileiro, foram precipitadas, levando em conta apenas as 13 economias que já haviam divulgado seus números até a data.

Um dia depois (28/02/2014), já segundo a Folha de São Paulo, um levantamento com 36 países mostra que o crescimento do Brasil está no meio da tabela, em 15ª  (DÉCIMA QUINTO)posição, atrás de uma série de países.

Entretanto, a distorção maior está na ilustração utilizada para destacar o sucesso brasileiro. A imagem apresenta em letras garrafais o seguinte texto: “comparação do PIB brasileiro com outros países”.

Fonte: http://www.brasil247.com/


Isso pode induzir a interpretações equivocadas. Não se trata de uma comparação do PIB brasileiro com outras economias. Se trata de uma comparação do crescimento percentual do PIB brasileiro em relação ao crescimento percentual do PIB de outras economias.

E isso traz sérias implicações nas interpretações decorrentes. O PIB dos EUA é de aproximadamente 17 trilhões de dólares em 2013 .  O do Brasil não chega a 2,5 Trilhões. Ou seja, uma conta rústica elucida que uma elevação de 2% no PIB estadunidense significa mais de 300 bilhões de dólares.
Com relação ao PIB do Brasil, um crescimento de 2,3% sobre 2,5 trilhões representa algo próximo de 62 bilhões, ou seja, aproximadamente, crescemos 20% do que cresceu os EUA. (Clique aqui e confira a lista das maiores PIBs do mundo)


blog Estadão traz uma ilustração muito mais didática. Nela fica evidente que o Brasil não ocupa o 3º lugar absoluto, mas empata com países europeus, os quais passam por crise.

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/radar-economico

Ou seja, embora se tente defender a atuação do ministro e retratar o Brasil como uma potência emergente,  estamos longe de um crescimento sustável. O atual crescimento se deu com base em gastos públicos exorbitantes e insustentáveis e apoiada no consumo, mais especificamente, no crédito.  O resultado, a inflação que para ser contida depende de ajustes na taxa de juros, a qual teve mais uma alta, passando dos 10% ao ano, o que inibe os investimentos e o consumo, entrando em uma espiral de declínio econômico.
  

E como a questão desses dados na mídia e nos meios virtuais de modo geral ganha uma conotação política e ideológica, o blog Estadão traz outra contribuição gráfica interessante. Mostra a variação percentual dos anos de 2004 a 2013, relembrando que o país já esteve em situação muito mais confortável, como também, no caso de 2009, teve um crescimento negativo.

http://blogs.estadao.com.br/radar-economico

Além disso, o PIB, de per si, pouco significa dentro de uma lógica social. Questões como desigualdade econômica, medidas pelo Índice de Gini, como o IDH, deveriam ser o foco das preocupações.
  

Isso posto, as conclusões são livres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário