Páginas

Pseudo criticidade: a crítica superficial a tudo e a aceitação de tudo

Atualmente se fala em "quebra de paradigmas" e se insiste na necessidade de se ter um pensamento crítico. Entretanto o que impera é a "substituição de paradigmas" e a cristalização de uma pseudo-criticidade como regra de conduta.

Embora crítica não signifique juízo, ser crítico virou tema da moda, transpassando a sociedade do meio político, filosófico, educacional até mesmo no meio religioso e pessoal. Entretanto, em toda história humana nunca houve tanta flexibilidade na aceitação de idéias e ideologias como atualmente. Trata-se, segundo certos argumentos, da aceitação da cultura do outro, da liberdade e da expressão individual, de respeitar os direitos.

Tudo é relativo, tudo é normal, ao menos na exteriorização do discurso politicamente correto, pois na prática cotidiana, parece que o antagonismo de classes nunca foi tão acirrado, ou melhor, nunca foi tão evidente e explícito. São cristão x ateus x N denominação religiosas (que prefiro dizer culturais, já que a religião é um traço formador da cultura de um povo); homens x mulheres x outras questões de gênero; brancos x negros x índios, gerando polêmicas étnicas em um país cujo povo, nas palavras de Darcy Ribeiro, era uno; esquerda x direita; capitalismo x socialismo x comunismo, como se vivêssemos na Guerra Fria, enfim...

Ora, é paradoxal sermos críticos, termos uma opinião formada sobre tudo, muitas vezes sem qualquer embasamento além do nosso interesse, ilusão ou achismo ao mesmo tempo que aceitamos o que nos é imposto como rota mais certa. Talvez, uma das consequência do excesso de informação. Informações que acompanham a volatilidade e a velocidade do meio virtual pelo qual ela circula, e que portanto, são superficiais e transitórias. Desprovidas do arcabouço fundamental para compreender as relações que geram e que ao mesmo tempo são geradas pela sociedade em suas interações e em interface com as diversas perspectivas da ação social (econômica, política, cultural, ideológica, etc.)

Um exemplo são as letras dos funks, onde em muitas delas – para não generalizar, embora desconheça alguma de qualidade – há forte apologia ao sexo e onde se imprime uma visão distorcida e maculadora da imagem feminina. E muitas mulheres defendem, e adoram ! Outro exemplo é a hipótese da descriminalização da maconha.
Fonte: sementes.bligoo.com

A criticidade parece não se impor quando se trata da cultura de massa, especialmente aquela imposta por grandes organizações, ou pelos detentores do capital, seja na forma de novelas (e suas apologias - uso de drogas, golpes, adultérios, tudo é normal, é romântico), de propagandas, enfim, do modo de vida consumista, onde tudo é imediato e descartável, onde não há valores (coisa considerada retrógrada).

Também não há uma reflexão (ou melhor, há apenas críticas, sem ação e sem correção) e uma reação sobre as tantas ações inescrupulosas da classe política. E aqui a crítica se estende à sociedade, de onde sai tal classe e de onde emana o poder delegado a ela. E quando há, é uma crítica momentânea. Uma repercussão que acompanha o coro de vozes (sendo massa útil), mas que em pouco tempo é esquecida e não reflete nas urnas. A população se indigna porque o candidato X votou a favor de tal projeto de interesses classistas, mas em dois meses, ninguém lembra sequer do projeto, muito menos de quem votou.

Outras vezes, a crítica é vazia. Uma mera repetição ou cosimento de palavras catadas aqui e ali, mas que aquele que as reproduz sequer saber se são verídica ou não. Fala-se, por exemplo, que tal prefeito gastou demais em propaganda. Mas poucos ter a disposição de verificar os orçamentos, os demonstrativos de despesas ou os portais da transparência para confirmar o fato.


http://www.nexos.com.mx/?p=15004
Parece que a sociedade definitivamente não está preparada para se auto organizar, para se gerir e agir com coesão e finalidade. Seguindo as idéias de Gramsci: ela parece uma criança, que reclama por um lado e que de outro chora e depende da ajuda do Estado para sobreviver.

 Isso leva a pensar que os problemas sociais são reflexos dos próprios problemas individuais que permanecem mesmo em uma época onde o homem, que se diz racional e evoluído e apesar de toda informação, liberdade e autonomia, se conforma em se manter em uma posição de egoísmo ou passividade.

Nesse contexto, o sentido do que é ser crítico se quebra, como muitos outros paradigmas foram "quebrados". Mas logo em seguida, substituídos por outros que convém aos detentores do poder (poder concedido pelo povo).

Somos apenas conduzidos nessa sociedade, como sempre ocorreu em toda história humana. Enquanto isso ostentamos aquela roupa de marca (elaborada a custa de trabalho escravo, da exploração do homem e do meio), pela qual pagamos uma exorbitância pelo valor agregado pela etiqueta, simplesmente para nos enquadrarmos em um grupo. Onde está a criticidade e autonomia ?

Quando políticos votam com tamanha rapidez leis para aumentar o próprio salário (aumento de R$ 3.000,00 para 2012, sem mencionar o efeito cascata) e  nos mantemos passivos, da mesma forma que não nos assustamos quando um professor ganha menos de R$ 1.000,00 para ensinar e educar 40 alunos, com necessidades diferentes. Quanto um médico, para abrir o peito de uma pessoa, assumindo riscos, ganha uma miséria do SUS. O salário mínimo, para ter uma elevação de R$ 10,00, precisa de muita briga e reza !

 Ou seja, quem exerce um trabalho de valor social não é reconhecido pela sociedade. Alguém já imaginou ficar um mês sem a coleta do lixo, sem a limpeza das escolas, sem o trabalho do responsável pela marcação de consultas, sem o trabalho dos professores ? Por outro lado, jogadores, cantores, artistas, políticos, que não agregam nada além do circo (Futebol e carnaval são a paixão nacional por quê ? ) recebem milhões !

Vemos comprometerem a qualidade da educação (baseada em critério quantitativos de qualidade), aumentando o número de alunos por turma, racionalizando recursos. Por outro lado, lutam para aumentar o número de vereadores.

Mas somos críticos. Criticamos os políticos. Reclamamos nos bares, nas rodas de amigos, no salão, enfim. Reclamamos e não agimos. E não se trata apenas de votar consciente. Muitos votam consciente mas não têm as condições de acompanhar o que o candidato faz nos bastidores. Votam consciente mas não podem controlar o caráter do candidato.

 Está na hora da sociedade amadurecer. De pensar coletiva e socialmente. Mas acho que dada a natureza humana, pode até ser impossível !
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário